UFGD e Prefeitura de Ladário querem ampliar projetos na Base Baía Nega

UFGD e Prefeitura de Ladário querem ampliar projetos na Base Baía Nega

Após visitar a Base Baía Negra, localizada no município de Lad√°rio, no Pantanal sul-mato-grossense, a pró-reitora de Extens√£o e Cultura da UFGD, Gicelma Chacarosqui, e o chefe da Divis√£o de Bases de Estudos, Sinval Vicenzi, estiveram reunidos com o prefeito Iranil Soares e o secret√°rio de Governo, Luciano Jara, no início de abril.

Na ocasi√£o, o prefeito apresentou diversas demandas para uma parceria mais efetiva com a universidade, com objetivo de desenvolver novos projetos voltados para agricultura familiar, agronegócio, turismo e desenvolvimento social buscando, ainda, a implanta√ß√£o de um polo de Educa√ß√£o a Dist√Ęncia.

A pró-reitora Gicelma Chacarosqui trouxe as demandas para a Reitoria e se colocou à disposi√ß√£o para intermediar o que for de interesse e ao alcance da UFGD. Agora a meta é atrair professores interessados em realizar a√ß√Ķes na base de estudos.

A base oferece condi√ß√Ķes de hospedagem para os servidores e estudantes da UFGD que ir√£o realizar pesquisas ou a√ß√Ķes de extens√£o direcionadas à comunidade. Parte do município de Lad√°rio fica localizado da √Ārea de Prote√ß√£o Ambiental (APA) Baía Negra, que é reconhecida como uma Unidade de Conserva√ß√£o de Uso Sustent√°vel no Pantanal. Dentro dessa APA vivem aproximadamente 50 famílias ribeirinhas e camponesas, buscando conciliar suas atividades agrícolas e de pesca com o meio ambiente.

POTENCIAL

De acordo com informa√ß√Ķes da Prefeitura, a agricultura familiar é uma das principais fontes de renda. Por meio de associa√ß√Ķes, os agricultores v√™m fortalecendo a produ√ß√£o de org√Ęnicos e também desenvolvendo cadeias produtivas nessa linha. Um dos pedidos da comunidade é que, além de pesquisas e a√ß√Ķes de extens√£o envolvendo as √°reas das Ci√™ncias Agr√°rias, a UFGD possa oferecer cursos sobre produ√ß√£o de peixes e outros animais como fonte de renda em pequenas propriedades, sempre em conson√Ęncia com as legisla√ß√Ķes ambientais.

De acordo com o que foi dialogado com o prefeito, a base de estudos também pode se tornar um polo para pesquisas do campo do agronegócio, especialmente se houver contrapartida de cursos de forma√ß√£o para os agricultores familiares, que precisam de forma√ß√£o sobre a gest√£o da propriedade enquanto negócio.

J√° professores dos cursos de Engenharia de Alimentos e de Nutri√ß√£o podem ser envolvidos em outro campo em potencial. Recentemente, uma associa√ß√£o de mulheres do assentamento rural recebeu o material para a instala√ß√£o de uma cozinha industrial e a Prefeitura est√° reformando o espa√ßo onde ser√° instalada essa cozinha. Agora, a associa√ß√£o est√° muito entusiasmada com a possibilidade de gerar renda para suas famílias e a comunidade est√° requisitando cursos de qualifica√ß√£o, como por exemplo, os de boas pr√°ticas e higiene em cozinha industrial, de beneficiamento de produtos org√Ęnicos (geleias, queijos, etc.) e de frutas e outros alimentos típicos da regi√£o pantaneira.

Sobre projetos voltados para o desenvolvimento social, o destaque é para a riqueza do patrimônio cultural da regi√£o, com tradi√ß√Ķes que montam da época do Brasil Colônia. Além disso, Lad√°rio é um município "dentro" de Corumb√°, e que fica somente a 12 quilômetros da Bolívia. A popula√ß√£o é de aproximadamente 20 mil habitantes. Características que renderiam interessantes pesquisas nas Ci√™ncias Humanas, que poderiam abordar a história e a cultura do município.

Localizada no bioma reconhecido como patrimônio natural da humanidade, Lad√°rio tem também voca√ß√£o para o turismo ecológico ou de natureza, e durante a reuni√£o, a Prefeitura demonstrou interesse em firmar conv√™nios e buscar apoio para pesquisas que possam orientar o desenvolvimento de políticas públicas para o turismo na cidade.

Sobre o pedido pela cria√ß√£o de um polo de Educa√ß√£o a Dist√Ęncia, de acordo com a PROEX, a UFGD e a Prefeitura de Lad√°rio iniciaram um projeto para que a Faculdade EAD tenha um polo de ensino no assentamento rural. Antes de tudo, a ideia é fazer uma pesquisa com a comunidade, para saber quais cursos s√£o de maior interesse.

Diante de todas as demandas, por enquanto, o que est√° previsto é a realiza√ß√£o de uma a√ß√£o social da Faculdade de Ci√™ncias da Saúde, que no último bimestre deste ano levar√° estudantes de Medicina para realizar consultas e alguns tipos de exames na popula√ß√£o.

QUERO REALIZAR A√á√ēES NA BAÍA NEGRA

Os interessados em desenvolver pesquisas e projetos de extens√£o na base de estudos Baía Negra precisam fazer reserva junto à PROEX, através do Termo de Ci√™ncia e Responsabilidade, e precisam cumprir o Regulamento para Utiliza√ß√£o da Infraestrutura das Bases de Estudo da UFGD. Esses documentos est√£o publicados em: https://portal.ufgd.edu.br/pro-reitoria/proex/bases-de-estudos.

Além da Baía Negra, a universidade possui outras duas bases de estudos, uma no assentamento Itamarati, em Ponta Por√£, e outra no Forte Coimbra, em Corumb√°.